Passar para o Conteúdo Principal Top

museus de Ponte de Lima

MUTE_2Museu dos Terceiros_Miguel Costa

Museu dos Terceiros_Miguel Costa

Armário de Sacristia

Pau-santo do Século XIX (início)

Armariosacristia2014 3 1 970 2500
  • Dimensões: 274 x 158 x 42cm
  • N.º Inventário: 0478

De acordo com a documentação de arquivo pertencente à Venerável Ordem Terceira de São Francisco de Ponte de lima, este armário embutido, referido como cómoda e cantoneira, remonta ao dealbar do século XIX. O Livro das Determinações da Mesa, em reunião de 19 de julho de 1801, menciona que se "determinou se continuasse na obra dos anjos e nas cómodas da sacristia". O Livro de Receitas e Despesas atesta, para o período de 1801-1802, gastos com "madeiras, jornais, ferragens para as portas da igreja e cómodas da sacristia". O mesmo Livro regista, no ano seguinte, despesas com "pau preto para as comodas da sacristia". Por sua vez, o Livro de Inventário assinala na sacristia, num levantamento feito em 1814, "duas cantoneiras de pau preto cada uma com doze gavetas pequenas e três gavetões". O mesmo registo indica que cada cantoneira apresentava uma sanefa de tafetá, facto que permite pressupor que a moldura e cimalha entalhada em forma de sanefa foram acrescentadas posteriormente.

Armários embutidos em pau-santo, de forma retangular, organizados verticalmente, dispostos em três corpos distintos com frontais de gavetas e gavetões decorados com embutidos de madeira formando figuras geométricas de desenho mistilínio. O registo inferior é composto por dois gavetões, encontrando-se o mais próximo do chão atualmente selado. O registo intermédio é formado por batente que abre para a frente, decorado ao centro por um cálice estilizado, em cuja copa retangular estão inscritas as palavras Missalia e Calice. Puxadores em metal dourado, vazados e com argolas, ladeiam o cálice. O registo superior é preenchido por doze gavetas sobrepostas, com puxadores de latão em forma de botão. Uma moldura de gramática neoclássica em talha marmoreada e dourada flanqueia e remata a peça em forma de sanefa, terminada por dois pináculos em forma de vaso oblongo, que balizam um arco de flores recortadas com cartela.